Esta exposição integra-se no plano de actividades definido para o projecto europeu “Blue Mining: breakthrough solutions for sustainable deep sea mining” para o triénio 2016/2018 (www.bluemining.eu), e constitui uma das componentes fundamentais no processo integrado de produção e divulgação científica na área dos Recursos Naturais e Sustentabilidade, desenvolvido no âmbito deste projeto na Universidade de Lisboa.

A população mundial excede já os 7500 milhões de pessoas, e prevê-se que continue a crescer até atingir cerca de dez mil milhões. Existem actualmente cerca de dois mil milhões de telemóveis (smartphones) em uso, e prevê-se que, em 2020, o número suba para mais de seis mil milhões. Face a esta pressão, o direito de acesso de todos às novas tecnologias obriga a repensar o fornecimento de matérias primas, trazendo para a ordem do dia novas fontes de matérias primas, nomeadamente a exploração dos fundos marinhos.

Todos somos defensores de energias renováveis e não poluentes (as chamadas energias verdes) mas muitos de nós ignoramos as tremendas dependências das energias verdes de matérias primas estratégicas e de alta tecnologia, como terras raras e cobalto. Em breve poderemos ter de recorrer às largas quantidades destes elementos que se conhecem nos fundos marinhos.

Um dos principais objectivos da exposição é o de promover um amplo debate acerca de temas como reservas e produção primária, panorama dos recursos naturais em terra, reciclagem, substituição de aplicações, consumo e consumismo, e, claro, sobre novas fontes de recursos naturais, nomeadamente nos fundos marinhos.

This exhibition is integrated in the “Blue Mining: breakthrough solutions for sustainable deep sea mining” project (www.bluemining.eu). It is one of the main components integrating scientific production and outreach in the Natural Resources and Sustainability area of this project being developed by the University of Lisbon.

World population already exceeds 7.5 billion people, and rising being predicted 10 billion. Nowadays, there are about 2 billion smartphones in use and predictions point to over 6 billion by 2020. Due to the increasing demanding, the right of access of all to these new technologies makes us rethink the raw materials supply. Which brings us the need of finding new sources of raw materials, namely exploring the deep seafloor.

We all want renewable and non-polluting energies (the green energies) but many of us ignore the tremendous dependence of these green energies from strategic and high-tech raw materials, such as rare earth and cobalt. And soon enough we will have to go get them from the large quantities that are known to exist in the deep seafloor.

One of the main goals of this exhibition is to promote an ample debate on themes such as reserves and primary production, overview of the natural resources known on land, recycling, applications replacement, consume and consumerism, and, of course, new sources of raw materials, namely on the deep seafloor.

Encontram-se expostas chaminés hidrotermais dos quatro cantos do mundo, desde o Oceano Atlântico, do Árctico, e do Pacífico
Na exposição encontram-se peças de vários oceanos do globo, umas aqui de perto, do mar dos Açores, outras do oceano Pacífico, umas colhidas a pouca profundidade, na ordem dos 700 m, outras colhidas a cerca de 5000 m de profundidade!
Em todas as peças geológicas exibidas na Mar Mineral são originais.

At the exhibition, there are pieces from several oceans, some from close by, collected at the Azores sea, others from the Pacific Ocean, some collected at shallow water of around 700m, others collected about 5000 m depth!
And all the geological samples are original ones, no replicas.

O percurso expositivo desenrola-se ao longo de quatro áreas. Na entrada pretende-se sensibilizar o público para as implicações que o crescimento populacional tem, nomeadamente a necessidade de procurar novas matérias-primas. O público é então convidado a mergulhar nas profundezas do oceano e conhecer os potenciais recursos descobertos nos últimos anos. A exposição aborda a presença dos metais no quotidiano e as aplicações e equipamentos de uso diário que precisam desses mesmos metais, juntamente com os equipamentos e avanços tecnológicos ligados a mineração submarina, bem como as preocupações ambientais inerentes. Ainda nesta área, está representada a EMEPC, a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma, com o mapa “Portugal é Mar” e a localização dos potenciais recursos em território português. Finalmente, o público volta para a terra e é levado para ambiente de mina, onde são mostrados os depósitos actualmente explorados em terra mas que se formaram em antigos fundos marinhos hoje expostos em terra.

The exhibition unfolds along four main areas. At the entrance, the goal is to awaken the public to human needs. The public is then invited to dive into the depths of the ocean, to the seafloor bed, and to marvel at the discoveries being made in last century and their implications in terms of possible resources. Information regarding the use of metals in our daily lives and the need to prepare for the imminent necessity of seafloor mining is given, together with industrial breakthroughs and technological readiness levels. Still in this area, there is the EMEPC- the Portuguese Task Group for the Extension of the Continental Shelf, with the map “Portugal is Sea” and the location of potential resources on Portuguese territory. The last section of this exhibition makes a comparison to the massive seafloor deposits mined on land that once originated at or near the seafloor.
The exhibition is promoting and holding international debates open to the public with specialized speakers to raise people’s awareness in the various domains of this thematic.